Gambozino é uma animal imaginário.
Andar aos gambozinos, significa andar à toa, vaguear, vadiar, vagabundear.
É isto que eu prendendo: vaguear por vários assuntos, vários lugares, ao correr da imaginação e da disposição.

sábado, 16 de agosto de 2008

O jardim do Castelo de Abrantes

Na minha última viagem à região de Lisboa, no regresso, resolvemos variar no percurso. O objectivo era passar por Abrantes e visitar ou revisitar algumas terras da margem direita do Tejo. A visita a Abrantes foi mais demorada do que o previsto. A cidade tem aspectos muito interessantes. Mas, de tudo o que foi visitado, destaco o jardim do Castelo. É um espaço lindíssimo, em que se nota algum cuidado na sua manutenção. No entanto, em conversa com umas senhoras que gozavam da calma e da paisagem do jardim, este tem sido alvo de muitos actos de vandalismo. Notavam-se bem as marcas para que nos chamaram a atenção: destruição do sistema de iluminação e de muros de protecção. Apesar de tudo, é um espaço de uma qualidade que não se vê muito por estas terras.
Deste local privilegiado, têm-se uma vista sobre a cidade, o vale do Tejo e as terras da margem esquerda do rio. O dia estava um pouco enevoado, mas a paisagem era deslumbrante.
À entrada do jardim, somos recebidos por uma bunganvília que derrama toda a sua cor e exuberância por cima do portão de acesso. Pode também ver-se, à esquerda, uma parte recuperada do castelo.

Logo após a entrada, uma rua muito sombreada, ladeada de canteiros com plantas floridas a que se segue um túnel de verdura.

Diversidade das espécies arbóreas do jardim.

O espaço onde se elevam para o céu os ramos desta espécie de planta suculenta.
A vegetação junto ao muro de suporte e na encosta que vai descendo para o vale do Tejo.

O perfil da cidade, visto do jardim

4 comentários:

Carlos Rebola disse...

Olá Júlia

Este jardim como as fotos documentam, é um bonito lugar para desfrutarmos com a tranquilidade que nos transmite as amplas paisagens que dele se avistam.
É pena a falta de civismo que leva à sua vandalização.
Também nestes dias no lindíssimo e romântico "Jardim da Sereia" em Coimbra mais uma vez vandalizaram as estátuas de pedra que o ornamentam. Uma outra guerra "o vandalismo" que destrói gratuitamente como as outras e são tantas.
Obrigado pela partilha, daquilo que encontra de bom.
Beijo
Carlos Rebola

Júlia Galego disse...

Olá Carlos
Parece que os comportamentos censuráveis são comuns por todo o país. No caso deste jardim, eu nem reparava nos atentados se não fossem as senhoras de Abrantes chamarem a atenção para este facto. Fiquei encantada com este jardim e com a paisagem que daqui se avista.
Bjs
Júlia

Paredes Cardoso disse...

Olá Júlia,
mas que agradável surpresa!!
Gostei bastante do seu olhar por Abrantes. O patrimóno "verde" não concentra muito a minha atenção, já se sabe só vimos o que aprendemos a ver. E na verdade é fundamental no conjunto.
Frequento o jardim, mas agora com as suas dicas vou passar a ser mais observadora.
Espero que volte,
bom fim-de-semana.

Júlia Galego disse...

Olá Ana!
Gostei muito de visitar Abrantes. Passei por lá há muitos anos, mas não me lembrava de nada. Gostei da cidade e, como viu, fiquei encantada com o jardim. Claro que tenho lá voltar porque deve ter ficado muita coisa para ver. Também lá descobri umas aldrabas e batentes que ainda não tinha na minha colecção.
Bjs