Gambozino é uma animal imaginário.
Andar aos gambozinos, significa andar à toa, vaguear, vadiar, vagabundear.
É isto que eu prendendo: vaguear por vários assuntos, vários lugares, ao correr da imaginação e da disposição.

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Albufeira do Caia

Basta a observação da albufeira para se verificar que o nível da água está muito baixo. O que muitas vezes é uma ilha, está agora largamente ligada ao limite inferior de parte do paredão da barragem.
Segundo dados do Sistema Nacional de Informação de Recursos Hídricos, o nível da albufeira em Outubro de 2008 pouco ultrapassava o valor de 43% da sua capacidade. Como elemento de comparação, no mesmo mês do ano de 2007, estava com cerca de 60% da capacidade máxima.
Esperemos que os próximos meses sejam suficientemente chuvosos para repor a água da albufeira. No entanto, parece-me que a situação não preocupa minimamente nem os responsáveis, nem as populações locais que usam esta água. Talvez a falta de informação, talvez a convicção de que a água da albufeira do Caia não acaba.
.
Foto: 9 de Novembro de 2008

4 comentários:

Latino disse...

Faz falta chuva, é uma realidade, mas também não é menos verdade que parte de nós o saber utilizar e racionalizar os recursos naturais de que dispomos, porque um dia vamos querer e não há.
Bom tema, bom alerta, e que este desperte as consciências mais desatentas a este problema.

Anónimo disse...

Apesar do nível da albufeira estar relativamente baixo, penso que ainda não é alarmante em termos de abastecimento das populações, pois o consumo resulta essencialmente da agricultura. O que é verdadeiramente preocupante é a quantidade de dejectos que ali são depositados diariamente pelo gado que ali pastoreia ilegalmente. Também preocupante, mas sobretudo triste, é constatar a cumplicidade das autoridades (Ministério do Ambiente, Câmaras Municipais de Campo Maior e Elvas et al.) para com estes "vândalos de colarinho branco", vulgo agricultores/criadores de gado.
Luís Venâncio
Arronches

Júlia Galego disse...

O Luís Venâncio referiu-se à questão da poluição das águas da albufeira. É um facto, não só pelos dejectos do gado, mas, segundo me disseram, pelos animais que morrem e ficama apodrecer na água da albufeira. Como, infelizmente, os autarcas dos municípios que utilizam esta água andam entretidos com outras coisas, nada se faz para ir contra esta situação. E ainda há a quantidade de desperdícios que os "veraneantes" ali deixam depois dos piqueniques, sobre os quais não se faz nenhuma acção quer preventiva, quer punitiva.
A qualidade da água que consumimos deixa-me muito pouco confiante. É claro que quanto mais baixo estiver o nível, pior a qualidade da água.
Só é pena que não haja entidades da chamada "sociedade civil" que levantem a voz contra este estado de coisas. Alguns blogues lá vão pregando no deserto... mas ninguém lhes liga nenhuma importância.

Quanto ao que diz o latino, concordo que é preciso disciplinar o consumo. Mas, neste item, também a autarquia é a que dá o pior exemplo.
Cumprimentos

Anónimo disse...

Se temos "cegos" servindo de guias a outros "cegos" só o acaso ou o cuidado da "providência divina" poderão evitar que estejamos a caminhar para o abismo. Mas há uma outra verdade: os piores "cegos" são aqueles que não querem ver.