Gambozino é uma animal imaginário.
Andar aos gambozinos, significa andar à toa, vaguear, vadiar, vagabundear.
É isto que eu prendendo: vaguear por vários assuntos, vários lugares, ao correr da imaginação e da disposição.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

Talhas alentejanas

 Talhas para vinho. Perderam a funcionalidade inicial e agora são objectos decorativos. As duas estão assinadas pelos artífices que as construíram. (clidando nas imagens, podem ver-se em tamanho maior).                                                                          
 




3 comentários:

Rafael Carvalho disse...

Aqui no Norte os grandes volumes de vinho sempre foram armazenados em recipientes de madeira (reporto-me exclusivamente à minha memória) - pipos, tunéis,...
Actualmente também são usadas para o mesmo fim as cubas de inox.
Julgava que no Sul as talhas de barro fossem usadas exclusivamente para o armazenamento do azeite ou da azeitona.
Cumprimentos.

Júlia Galego disse...

Rafael, estas talhas ou potes eram, de facto, destinada ao fabrico do vinho.
Num post transcrevi um texto de Orlando Ribeiro sobre este tema:

http://gambozino-alentejano.blogspot.com/2008/12/talhas.html

Como pode verificar, estas diferenciavam-se das destinadas ao azeite, por terem um orifício onde se punha o pipo. Se aumentar as fotos, pode ver esse orifício.
Em Campo Maior existiu uma activa manufactura destas talhas. A maior (da esquerda) tem gravado o nome do artífice e da vila.

Estas duas talhas encontram-se na entrada da Adega Mayor.
Cumprimentos

camionista disse...

De tão cobiçadas que são como objectos decorativos, há quem simplesmente as "leve" para depois as vender para serem utilizadas em urbanizações mais ou menos luxuosas em zonas privilegiadas...